VOCÊ ESTÁ EM: PÁGINA INICIAL » Jessie J Notícias
“Eu sei que os brasileiros têm uma energia mágica”, Jessie J em entrevista ao POPline Publicado Por: Equipe Jessie J Brasil Publicado Em: Notícias

Faltam só 20 dias para o primeiro de dois shows que Jessie J fará no Brasil. E a imprensa brasileira está conversando sobre a carreira e a expectativa da cantora sobre a vinda ao nosso país. O Jornal O Globo conversou por telefone no início da semana com a Jessie, e agora o Portal POPline traz mais detalhes sobre o que esperar das apresentações. Confira:

Quando recebi a notícia, meio que de última hora, que iria entrevistar Jessie J por telefone, logo muitas lembranças vieram à minha cabeça.

Lembrança de quando ouvi e me viciei em “Do It Like a Dude”, de quando comprei o primeiro álbum de Jessie J numa loja aqui em minha cidade (Natal-RN). Lembro também de quando nossa editora-chefe, Amanda Faia, me apresentou ao seu marido (na época noivo), como “esse é o Kavad. Quando a gente começou a ouvir Jessie J, ele já era amigo íntimo dela”.

Quem me dera, ser amigo íntimo de Jessie J. Mas sim, tenho muita história com ela, que culminou, inclusive, com o seu último show no Rock in Rio, em 2013. Era o ano que eu finalmente estava conhecendo todo mundo do POPline (tem muita gente espalhada por todo o Brasil), mas o encontro foi rápido: logo cedo no festival, eu queria garantir um espaço bem próximo do palco, para ver Jessie J de pertinho.

E vi. E chorei muito com “Who You Are”, uma das minhas músicas preferidas. Então, por isso, você pode imaginar como eu estava em uma espécie de êxtase e nervosismo enquanto pautava a entrevista, que seria focada em seu show de volta ao Brasil, depois de seis anos, dessa vez, além do Rock in Rio, também em São Paulo.

Com a minha melhor vibe profissional, claro que me permiti dar uma leve tietada assim que Jessie J falou ao telefone e logo depois de nossos cumprimentos introdutórios.

“Oi, Jessie J! Primeiro de tudo gostaria de te dizer que sou um grande fã seu, desde o primeiro single, e que estou muito feliz em estar conversando com você agora”, digo, tentando dar uma vibe profissional ao meu lado fã. Jessie, sempre muito simpática, responde prontamente: “Aww, Muito obrigada! Você é muito doce.”

A partir daí, começamos a conversa séria, sobre seu show no Brasil e seu amor pelos fãs brasileiros. É também muito evidente o quanto Jessie J é uma artista e uma pessoa madura, certa de si, confiante.

Estamos finalmente em setembro, o mês que você volta ao Brasil. Está muito animada para isso?

Ah, eu mal posso esperar! Todo mundo sabe o quanto eu amo o Brasil, todo mundo sabe da minha grande conexão com meus fãs brasileiros e o quanto eu gostaria de voltar mais do que eu já voltei. E dessa vez vou voltar para o Rock in Rio e para o meu próprio show. E essa dedicação e amor dos fãs são muito queridos por mim e eu mal posso esperar. São os últimos shows da turnê, então será uma celebração.

E dessa vez, como você já disse, você vai tocar em duas cidades, no Rio de Janeiro, no Rock in Rio, e em São Paulo. Vai haver alguma diferença entre esses dois shows?

Todo show que eu faço é diferente. Meus fãs, eu os chamo de “loucos”, eu não acredito que eles vão ver meu show mais de 100 vezes, mas eles vão. E eles me falam que sempre amam porque cada vez é diferente. E é isso que eu tento fazer com cada show, que eu tento criar. Eu quero que as pessoas saibam que a minha performance é 100% verdadeira.

Você já tocou no Rock in Rio uma vez, alguns anos atrás, e eu tenho que dizer que eu estava lá, cantando muito cada uma das músicas, foi um show incrível. Como você se sente ao estar voltando para esse festival com novas músicas e em um momento diferente em sua vida?

Cada um dos shows, cada uma das vezes… E é por isso que eu gosto do Brasil, porque só fui algumas vezes e foram grandes momentos da minha vida. E cantar novas músicas, eu nunca vi os fãs brasileiros, cara a cara, cantarem essas músicas, cada letra. E eu sei que eles cantam. E isso é uma conexão com a música que é tão incrivelmente poderosa que eu nunca deixo de me maravilhar toda vez que eu faço um show onde eu vejo as pessoas cantando a música. E eu sei que os brasileiros têm uma energia mágica.

E eu também lembro que você desceu do palco, no fim do show, e distribuiu abraços e beijos aos fãs da primeira fila. Podemos esperar algo parecido dessa vez?

Oh meu Deus! Onde eu estava? Não me lembro… Mas eu encontrei aquele menino da primeira fila do Rock in Rio, ele foi em um show meu, ele é um homem agora.. E eu perguntei como ele estava e ele ficou espantado que eu lembrava dele e eu perguntei ‘Você não está chorando’. E ele disse, ‘Não, eu estou bem.’ E isso me fez sentir tão bem. Claro que tinham outras pessoas na sala chorando. E o que você percebe é que a música é algo tão legal. A música está lá quando as pessoas precisam dela e é uma experiência. Tipo, uma música que você ouve no rádio e de primeiro momento ela não te afeta, mas anos depois você ouve de novo e pensa ‘Oh meu Deus, essa música é tudo para mim.’ E essa é a beleza da música, ela nunca morre. Ela vive pra sempre para qualquer um que precise, quando precise. E esses momentos são tão especiais quando você vive, ao ajudar alguém a passar por algo doloroso, mas também ver que eles voltam ao show e você vê que eles estão em um momento melhor. Isso é incrível. Tão recompensador.

Que músicas você acha que não pode deixar de fora do seu repertório aqui no Brasil?

Ah, Deus! Eu não sei! Quando eu penso no Brasil, eu penso no Rock in Rio, quando eu fui, e eu apresentei muitas músicas do álbum “Alive”. Então tem que ter “It’s My Party”, “Sexy Lady” e “Wild”, tenho que manter.

Eu tenho que dizer… “Bang Bang”, pra mim, você não pode deixar de cantar, já que vai ser a primeira vez que você apresentará essa música aqui no Brasil.

Sim! Claro! “Bang Bang”, “Masterpiece”, “Flashlight”. Mesmo que não tenham sido single, tenho algumas músicas que não posso deixar de fora do set. Quanto mais músicas você lança, mais difícil é de criar um setlist, porque todo mundo quer tudo.

Você é colocada em uma posição bem difícil…

Sim! Exatamente! Até meus melhores amigos, eles vão em um show e eu tenho que editar a setlist em meia hora e eles ficam tipo ‘não!’, mas falo pra eles que não posso cantar tudo, eu tenho que acelerar. Então é bem difícil escolher o que cantar, mas dá tudo certo no final.

Há alguns anos, você voltou aos holofotes ao ganhar o reality show “The Singer”. Há planos para mostrar para nós brasileiros alguns daqueles lindos covers?

Eu não penso exatamente nisso.Às vezes eu inicio um cover aleatoriamente, se a energia pede. Mas eu não sei o que vai acontecer lá, eu tento deixar tudo o mais aberto possível. Eu trabalhei tão duro naquelas performances, que eu estou tão grata que elas saíram bem.

Você foi maravilhosa naquela competição! Eu assisti cada um dos vídeos e fiquei maravilhado!

Aw, muito obrigada! Eu amei cantar essas músicas!

E o que mudou na sua vida, como pessoa e em sua carreira, depois dessa competição?

Eu sou agora muito mais respeitada e celebrada como cantora do que antes. E eu viajar o mundo, pelo Reino Unido, Europa, Brasil, todos os lugares, mas a China me fez sentir que minha voz é muito especial e eu não percebia. Eu estou muito agradecida por esse tipo de amor, apoio e celebração à minha voz. E eles também me permitiram ser eu mesma em uma competição que eu nunca vi do lado de cá e, sabe, sou muito grata por ter mostrado minhas tradições, como eu sou de verdade e ter permitido minha personalidade brilhar. E eu sou grata, por exemplo, o mundo ocidental e a mídia sempre falou de mim, mas não tanto quanto quando eu estava no programa. E eu sou grata por isso, por ter me permitido passar por algo novo, aprender algo novo, viver algo que não se adaptava a mim, que na verdade eu que tive que me adaptar a ele. Então sou muito grata pela experiência, pelas músicas, que eu não teria a chance de cantar em nenhum outro lugar. Filmado com grandes padrões, em frente a uma plateia. Foi uma experiência de uma vida. E eu me sinto muito abençoada, eu realmente sinto.

E você tem algum artista brasileiro que você gostaria de colaborar em uma música?

Eu estou animada para ver as artistas femininas no Rock in Rio e eu claro já vi vários artistas brasileiros maravilhosos, seja nas mídias sociais ou meus fãs me marcando em coisas, e eu adoraria ver tudo isso ao vivo, porque pra mim isso é quando a verdade vem à tona, sabe? E as pessoas se transformam. Talvez depois do Rock in Rio, de ver todas as garotas se apresentarem, podemos formar um super grupo brasileiro. Lançar uma versão brasileira de “Bang Bang”, quem sabe?

Eu gosto da ideia!

Eu também. (risos)

Jessie, nós estamos tão felizes que você está voltando ao Brasil que nós do POPline queremos te fazer uma festa de boas vindas! Nós temos esse lugar, chamado Casa do POPline, e nós podemos te juntar com teus maiores fãs para curtir um dia juntos lá. O que você acha? Você topa?

Eu tenho que ver em minha agenda, se minha agenda estiver livre, eu estarei lá e pronta para festejar!

Chegando ao final da entrevista, antes de você ir, eu, como fã, tenho que perguntar. A música que você escreveu para Britney Spears, há alguns anos, acho que se chamava “Bitch, I’m Britney”, ou algo assim. Ela existe?

Não! Eu nunca escrevi a música toda! Eu escrevi esse verso da música e algumas partes e essa informação vazou, mas nunca existiu por completo.

Sério? Que pena!

Sim, nunca existiu.

Jessie, eu gostaria de agradecer mais uma vez por essa incrível conversa, mas antes de nos despedirmos, você pode mandar uma mensagem para o POPline e seus fãs brasileiros?

Minha mensagem é: o respeito e amor e apreciação que eu tenho por vocês é mútuo, porque eu sei que vocês sentem tudo isso por mim senão não seria capaz de voltar ao Brasil e fazer esses shows. O mais importante que posso dizer para qualquer um de meus fãs é “continuem sendo vocês mesmos”. E sejam vocês mesmos o máximo que puderem, todos os dias. Celebrem suas diferenças, celebrem suas singularidades, celebrem vocês meses e curtam suas vidas. Apreciem. A vida pode ser muito curta e é importante que a gente a aprecie enquanto podemos.

 

Ah! E sobre o novo álbum? Jessie J fez mistério, mas garantiu que vai começar a produção de seu novo disco nos próximos dias, da mesma forma como foi produzido o “Who You Are”: “Gravando o que sair dos ensaios.”

Se conhecemos bem Jessie J, grandes coisas vêm por aí.

 


POSTADO EM 07.09.19
“Cantarei os singles de todos os meus álbuns”, Jessie J sobre show no Rock in Rio Publicado Por: Equipe Jessie J Brasil Publicado Em: Notícias

Jessie J está prestes a se apresentar no Brasil e antes mesmo de chegar ela já está conversando com vários jornais. O Jornal O Globo publicou uma entrevista com a cantora, onde ela fala sobre o show no Rock in Rio, o novo álbum e o momento atual da sua carreira. Confira:

Jessie J: ‘Quando eu surgi, não conseguiam dizer com o que eu parecia’

Atração do Rock in Rio e com show também em São Paulo, cantora de ‘Price tag’ e ‘Bang bang’ quer que público faça parte do espetáculo

Uma estrela pop de fato e direito, a inglesa Jessie J , de 31 anos, avisou no último dia 24 aos seus 8,5 milhões de seguidores no Instagram que iria sair por um tempo da rede social para se concentrar “na vida real”.

— Era algo muito importante a fazer. Não tem a ver com Instagram, mas com o fato de que eu quero criar, me inspirar, o que era difícil com tantas informações todo dia na minha cabeça. É igual quando você sente aquela necessidade de ir para o campo respirar ar puro — conta por telefone a artista que volta ao Brasil este mês para shows em São Paulo (dia 27, no Espaço das Américas) e Rio de Janeiro (29, no Palco Sunset do Rock in Rio ).

Sucesso mundial com as músicas “Price tag”, “Domino”, “Nobody’s perfect” (de seu álbum de estreia, “Who you are”, de 2011) e “Bang bang” (com Ariana Grande e Nicki Minaj, lançada no terceiro álbum, “Sweet talker”, de 2014), Jessie não conseguiu outros hits na música, mas só faz ampliar sua celebridade nos últimos anos — seja na TV, como jurada técnica do “The Voice Kids” da Inglaterra, ou em Hollywood, como namorada do astro Channing Tatum . No entanto, ela diz não levar a sério o jogo da mídia — a carreira musical continua a ser a prioridade:

— A fama é parte do meu trabalho, é algo que posso usar de uma forma criativa.

No Rio de Janeiro, Jessie dividirá o Sunset dia 29 com um time de atrações brasileiras eminentemente feminino, do qual farão parte IZA , Alcione , As Bahias e a Cozinha Mineira e Kell Smith .

— A melhor coisa na vida é ser mulher e poder se comunicar com outras mulheres, será uma noite incrível — avisa ela, dando pistas do que fará em seu show. — Cantarei os singles de todos os meus álbuns e mais algumas das minhas músicas favoritas. Não há expectativas, nem roteiro, gosto que os meus shows sejam diferentes cada noite.

No ano passado, depois de quatro anos sem lançar álbuns, a cantora voltou com nada menos que dois discos. Experimental, mais voltado para o r&b moderno, “R.O. S.E.” foi a reunião de quatro EPs conceituais: “Realisations”, “Obsessions”, “Sex” e “Empowerment”. Já “Christmas album” foi o seu álbum de Natal, onde cantou canções clássicas como “Jingle bell rock”, “White Christmas” e “Silent night” (o nosso “Noite feliz”) com produção de mestres como David Foster, Babyface, Jimmy Jam e Terry Lewis.

— Eu sempre procurei fazer coisas diferentes na minha vida e nunca quis ser confinada a um gênero, a uma caixa. Quando eu apareci, em 2010, os jornalistas e os críticos não conseguiam dizer com o que eu me parecia. Sempre quis ter o meu próprio lugar, celebrar a minha individualidade — diz Jessie. — “R.O.S.E.” era uma terapia, algo que eu precisava fazer para mim mesma, não importava se eu fosse lançá-lo ou não. Já o disco de Natal era aquilo mesmo: eu gravando canções natalinas com alguns dos meus produtores favoritos e tentando fazer algo que pudesse durar além das festas.

Ainda em 2018, a inglesa apareceu na sexta temporada da competição de canto chinesa “Singer” e saiu de lá três meses depois como a primeira cantora estrangeira a vencer o programa, com quase metade do total de votos do público chinês.

— A beleza da China está em todo o mistério que ainda existe lá para os ocidentais e na forma com que os chineses caminham pela vida, na música que eles fazem — avalia. — Fiquei muito feliz por ter sido aceita pelos chineses, mesmo tendo sido criada em uma tradição tão diferente, que é a inglesa. Meu canto nunca foi tão bem aceito, em nenhum outro lugar, quanto lá.

Em 2014, Jessie J se mudou de Londres para Los Angeles, onde, ela dizia, era vista de verdade “como uma cantora”. Hoje, de volta à sua cidade natal por causa do “The Voice Kids”, ela reflete:

— A felicidade vem da sua trajetória na vida, e eu vivo na estrada. Minha casa é onde meu coração está, e minha casa sempre será o Reino Unido, mas posso viver em qualquer lugar — diz, ela, que não deixa de se preocupar com os efeitos do Brexit. — Seja lá pelo que o Reino Unido está passando agora, ele vai sobreviver.

Nos próximos dias, Jessie J entra em estúdio para começar mais um álbum.

— Pretendo gravar o que quer que saia dos nossos ensaios. Meu primeiro álbum foi assim. Ele foi o meu disco mais bem-sucedido justamente porque eu não tentei ser algo diferente, eu simplesmente fiz com que acontecesse. E é o que eu vou tentar fazer de novo. Quero criar grandes canções, e se elas soarem um pouco diferentes do que de costume, é assim que vão ficar.

Os ingressos para o show da Jessie J em São Paulo ainda estão disponíveis no site da Ticket360. Já os do Rock in Rio, estão disponíveis na venda extraordinária pelo site Ingresso.com.


POSTADO EM 03.09.19
“Eu tenho vivido o melhor momento da minha vida”, Jessie J em entrevista à Berkshire Life Publicado Por: Equipe Jessie J Brasil Publicado Em: Notícias,The Voice Kids UK

Jessie J deu uma entrevista à revista Berkshire Life. Ela falou sobre a experiência de ter sido jurada no The Voice Kids UK e também sobre o atual momento da sua vida: “o melhor”. Confira abaixo a scan e a entrevista traduzida:

Ela está de volta às nossas telas como jurada do The Voice Kids UK, e Jessie também está vindo ao Ascot Racecourse este mês. Aqui, ela falou um pouco sobre aprender com seus erros.

Vivendo entre Los Angeles e Londres, e namorando o bonitão de Hollywood, Channing Tatum, a cantora de Price Tag tem aparecido de novo em nossas telas na cadeira giratória vermelha do The Voice Kids, juntamente com Will.i.am, Pixie Lott e Danny Jones. Jessie foi uma das juradas na estreia do The Voice UK.

A estrela pop já vendeu mais de 20 milhões de singles e 3 milhões de álbuns mundo a fora e no ano passado venceu uma competição de canto na China chamada Singer.

Em Abril deste ano, ela começou a fazer uma tour por festivais pela Europa e Ásia, sendo uma parte desta tour chamada The Lasty Tour, em homenagem ao seu segurança Dave Last, que morreu em 2018.

Neste mês, ela vem ao Ascot Racecourse no dia 10 de Agosto. Durante o dia acontece o Dubai Duty Free Shergar Cup, e então a Jessie fará uma apresentação ao vivo.

Então, Jessie, foi uma grande decisão voltar ao programa e se colocar novamente aos olhos do público?
É engraçado pois são vários sentimentos. A quantidade de perguntas que eu venho recebendo nos últimos dias. Como: “Você saiu da Inglaterra…” Eu não saí da Inglaterra. Eu sempre vivi aqui, mas não estava no topo do meu jogo então as pessoas não estiveram acompanhando, o que não tem problema. Todos têm sua chance no sucesso. Então eu fui e tentei entrar no mercado americano, e depois eu fui e tentei entrar no mercado da China. Eu tenho vivido o melhor momento da minha vida.

Este programa teve seus pontos positivos para mim e eu tive momentos incríveis. Houve momentos em que eu não estava madura emocionalmente o suficiente para entender o que a mídia iria dizer ou não dizer sobre mim, não toda hora, mas às vezes. Eu precisei me afastar e trabalhar em quem eu sou por trás da câmera para que eu conseguisse voltar a aparecer novamente.

Quando me convidaram para o The Voice Kids UK, eu tinha acabado de finalizar uma turnê de 55 shows. Voltei para Los Angeles por duas semanas e então vim para cá e comecei a gravação do programa. Eu estava tão cansada com o JetLag, eu ficava na cadeira “Eu ganhei uma competição para ficar aqui?”

Cheguei em um ponto da vida onde eu sei onde eu sou boa, sei onde eu não sou e sei o que eu posso retribuir. E poder contribuir com as gerações mais jovens é muito mais importante do que qualquer história falsa que a mídia vai criar sobre mim. Não é sobre mim, é sobre as crianças e é por elas que eu estou aqui.

Tem sido mais divertido desta vez?
Sim, é como um sonho. Eu amo crianças, eu amo cantar, eu amo o programa, o formato. Eu adoro a galera. É muito parecido com fazer com o Will, Tom e Danny da primeira temporada, é aquela mesma energia. Esta temporada e aquela são minhas favoritas. Tem sido ótimo.

É complicado quando ninguém gira a cadeira para uma criança?
O que é difícil é ver a família ao lado. Eu não quero me colocar no lugar deles porque eu me lembro do que meus pais passaram quando eu era pequena. Todos ficam pra baixo com uma reprovação. Mas, quando você tem a oportunidade de ser a pessoa que faz isso… Tenho certeza que um dia eu estarei no papel de mãe e já terei passado pelos 3 lugares. Não é um sentimento bom. Mas é uma parte importante do crescimento deles. Uma criança que só ouve “sim, sim, sim” não cresce como alguém preparado pra sobreviver, já que não é assim que acontece no dia a dia. Se aprende mais na falha e na dor do que em qualquer outro lugar.

Você bateu um papo com aqueles que não passaram para a etapa seguinte?
Sim, uns 45 minutos com cada criança. Mesmmo agora eu adoraria receber conselhos de quatro pessoas que eu amo. Eu iria absorver ao máximo. Eu encontraria a Katy Perry no aeroporto e diria “Eu tentei fazer isso”. Esses são os momentos que você precisa. Somos todos artistas seja aos 7 ou aos 35 anos. Imagino que essa seja a beleza desse programa que é um dos motivos pelos quais eu participei 8 anos atrás. Não era só: “Não, tchau”. Era: “É um não para nós, mas esse é o motivo.” Eu sempre digo “Você deveria seguir este caminho,” ou “Se veja cantando”. Você não pode ser um cantor e não saber como é te assistir quando se apresenta. Precisa saber o que você está oferecendo.

O Will prefere fazer o The Voice Kids que versão adulta. Você também?
Eu não sei, faz muito tempo desde quando eu fiz a versão adulta e eu nunca fiz a infantil antes.
Tem um elemento de magia nessa que a versão adulta às vezes não consegue manter tão consistente. Depende da pessoa no palco, ela controla a energia do ambiente.

Qual foi o seu melhor erro?
Fazer a audição para Annie já que eu não fui aprovada. Foi o pior momento da minha vida. Eu tinha nove anos. Dois anos depois, eu ganhei meu primeiro papel em um musical e mudou a minha vida. Eu aprendi mais sobre mim mesma nos erros do que nos acertos.

Se a Jennifer Hudson não voltar a versão adulta, nós te veremos naquela cadeira?
Eu não canto tanto como ela, ela canta literalmente todos os episódios, a voz dela é muito boa.

O show anunciado pela revista no Ascot Racecourse infelizmente foi cancelado. A organização do evento informou que tomou a decisão por conta das condições climáticas que causaram danos causados ao palco principal e também pela segurança.


POSTADO EM 17.08.19
ESPECIAL: 5 anos de “Bang Bang” Publicado Por: Equipe Jessie J Brasil Publicado Em: Bang Bang,Notícias

No dia 30 de Junho de 2014, Jessie J postou que no dia 1 de Julho, iria anunciar o carro chefe da era Sweet Talker. E assim fez:

Ela uniu forças com nada menos que Ariana Grande e Nicki Minaj, nesse lançamento power vocal que marcou a carreira das 3, se tornando em um sucesso comercial estrondoso no mundo todo.

Jessie revelou que a música sairia oficialmente no dia 29 de Julho de 2014, e na semana de lançamento apareceu em diversos programas de rádio americana para divulgar a canção que escalou diretamente pro topo do iTunes EUA e permanecendo por dias.

Na hot 100, a parceria debutou em #6, sendo o segundo top 10 da carreira, mas ainda pegou um pico de #3, se tornando o maior pico da carreira no chart principal do pais.

Em 20 de Outubro de 2017 foi certificada oficialmente por 6x platina em solo americano, com vendas equivalentes superior a 6 milhões de cópias.


POSTADO EM 28.07.19